Comunicação e afetividade em ambientes virtuais

  • Maria de Fátima Goulao Universidade Aberta /UIEDF_UL

Resumo

Se a afetividade é importante em contextos de aprendizagem presenciais, ela ganha contornos de complexidade e riqueza em ambientes de aprendizagem a distância, onde não existem outros elementos sensoriais. O tipo de comunicação que se estabelece entre todos os elementos da comunidade é primordial para a criação de ambientes propícios ao estabelecimento de laços afetivos entre os seus membros.  A expressão da afetividade em contextos de aprendizagem passa pela comunicação que, num ambiente virtual, é feita essencialmente com recurso à escrita. A forma de comunicação deixa de assentar no discurso oral e passa a ser expressa de forma escrita onde podem surgir indicadores que, na presença do outro eram percebidos pelo contexto corporal, agora passam para um registo simbólico. Esta lógica de funcionamento comporta alterações nas relações sociais que se estabelecem entre os diferentes elementos que constituem estas comunidades, pois o “escritor”, para além de sentir, precisa de fazer passar esse seu sentimento para o leitor. É neste contexto que surge o presente trabalho que tem como objetivo abordar a dimensão afetiva em ambientes virtuais de aprendizagem, por um lado, a sua presença nos Fóruns, por outro, nas características do e-professor que são valorizadas pelos aprendentes e as suas implicações na aprendizagem.

Biografia do Autor

Maria de Fátima Goulao, Universidade Aberta /UIEDF_UL

Maria de Fátima Goulão tem a sua formação de base (licenciatura e  mestrado) na área da Psicologia Educacional, é doutorada em  Ciências da Educação - Formação de Adultos pela Universidade Aberta, após apresentação e defesa da tese, Ensino aberto a distância: Cognição e Afectividade e é formadora  creditada pelo Conselho Nacional Científico-Pedagógico da Formação Contínua.

Tem participado em vários seminários e congressos, nacionais e internacionais, onde apresentou trabalhos no âmbito do ensino a distância, elearning, estilos de aprendizagem, auto-regulação da aprendizagem em ambientes online, Calibração e estratégias metacognitivas em ambientes online e auto-eficácia em aprendentes adultos e ensino a distância  e interculturalidade. É membro integrado da Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Educação e Formação – grupo de Psicologia da Educação, do Instituto de Educação de Lisboa. Continua a desenvolver, atualmente, investigação nas áreas mencionadas anteriormente. É professora auxiliar no DEED, membro do Conselho Coordenador do Departamento, membro da Comissão Científica da especialidade de Educação e Interculturalidade, do Doutoramento em Educação e membro do Senado da Universidade Aberta.

Referências

ARETIO, L.G.. La Educación a Distancia. Barcelona: Editorial Ariel, 2002

BASTOS, H.,Bercht,M. & WIVES,L. (2010). Presença Social em Cursos a Distância: Um Estudo Comparativo de postagens em chats e fóruns. Revista Renote - Novas Tecnologias na Educação,8 (3). Disponível em http://seer.ufrgs.br/renote/issue/view/1196

BYRAM Michael, GRIBKOVA Bella and STARKEY Hugh, (2002), Developing The Intercultural Dimension In Language Teaching. A Practical Introduction For Teachers, Council of Europe. Strasbourg. Disponível em http://lrc.cornell.edu/director/intercultural.pdf

BRIEN, R. Science Cognitive & Formation (2ª ed.). Quebec: Presses de l’Université du Québec, 1994

COLL,C. & MONEREO,C. (Eds.).Psicología de la educación virtual. Madrid: Ediciones Morata, S.L., 2008

DAMÁSIO, A. (2000). O Sentimento de Si: - O Corpo, a Emoção e a Neurobiologia da Consciência. Lisboa: col. Fórum da Ciência, Publicações Europa-América, 2002

DAMÁSIO, A. O Erro de Descartes. Lisboa: Publicações Europa-América, 1995

European Commission (2007). Safer Internet for Children: Qualitative Study in 29 European Countries, National Analysi. Disponível em http://ec.europa.eu/public_opinion/archives/quali/ql_safer_internet_summary.pdf

GARRISON, D., Anderson,T. & ARCHER,W. (2000). Critical Inquiry in a Text-Based Environment: Computer Conferencing in Higher Education. The Internet and Higher Education 2(2-3), pp. 87-105

GIORDAN, A. Apprendre!. Paris: Éditions Belin, 1998

GOLEMAN,D. Inteligência Emocional (tradução). Lisboa: Temas e Debates, 1997

GOULÃO, Mª de Fátima. (2009). Metacognition, Learning Styles and Distance Education. In Subhi-Yamin,T.. EXCELLENCE IN EDUCATION 2008: FUTURE MINDS AND CREATIVITY. Paris, 2008. Proceedings of the Annual Conference of the International Centre for Innovation in Education ICIE: Ulm- Germany, 2009. pp.224 – 232.

GOULÃO. Mª de Fátima. Ensinar a aprender na sociedade do conhecimento: O que significa ser Professor? In BARROS, D.M.V. et al. (2011). Educação e tecnologías: reflexão,

inovação e práticas, Lisboa: Daniela Melaré Vieira Barros, 2011a

GOULÃO, Mª de Fátima. Estilos de Aprendizagem, ambientes virtuais de aprendizagem e auto-aprendizagem. In BARROS, D.M.V. (Eds). Estilos de Aprendizagem na Atualidade: volume 1, 2011b.pp.1-10. Disponível em http://estilosdeaprendizagem-vol01.blogspot.pt/

GOULÃO, Mª de Fátima (2012). Ensinar e aprender em ambientes online: alterações e continuidades na(s) prática(s) docente(s). In MOREIRA, J.A. & MONTEIRO, A. (orgs). Ensinar e Aprender Online com Tecnologias Digitais – Abordagens teóricas e metodológicas.Porto: Porto Editora, pp.15-30.

HENRI, F. & PUDELKO, B. Understanding and analysing activity and learning in virtual communities. Journal of Computer Assisted Learning, 19(4), 474-487, 2003

LEVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 2005

LIVINGSTONE, S. & BRAKE, D. On the rapid rise of social networking sites: New findings and policy implications. Children & Society, 24,75-83, 2010

LONGHi,M.,PEREIRA,D. & BERCHt,M. (2009). Planejamento de Carreira através de um objeto de aprendizagem. Revista Renote - Novas Tecnologias na Educação, 7 (3), 2009. Disponível em http://seer.ufrgs.br/renote/issue/view/952

LONGHI,M.,BERCHt,M. & BEHAR,P. (2007). Reconhecimento de Estados Afetivos do Aluno em Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Revista Renote - Novas Tecnologias na Educação, 5 (2), 2007. Disponível em http://seer.ufrgs.br/renote/issue/view/947

JOCHEMS.W. & KREIJINS,K. Measuring Social Aspects of Distributed Learning Groups. European Educational Research Journal, 5 (2), 110 – 12, 2006

OLIVEIRA, C. Afetividade, Aprendizagem e Tutoria Online. Revista EAdPECI, 3, 1-16, 2009

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre:Editora Meridional, 2009

ROURKE,L. ANDERSON,T., GARRISON,R. & ARCHER,W. Assessing social presence in assynchronous text-based, computer conference. Journal of Distance Education, 14 (2)1-18, 2011

SCHERER, K. R. ”What are emotions? And how can they be measured?”, Social Science Information 44 (4), 695-729, 2005

Tedesco, J. C. O novo pacto educativo: Educação, competitividade e cidadania na sociedade moderna (3ª ed.). Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão, 2008

Publicado
2016-04-30
Seção
Educação a Distância Comunicação e interculturalidade