https://www.seer.ufs.br/index.php/historiar/issue/feed Boletim Historiar 2022-10-01T13:03:29-03:00 Dilton C S Maynard historiar@getempo.org Open Journal Systems <p><strong>Foco e Escopo</strong></p> <p>A revista eletrônica&nbsp;<strong>Boletim Historiar</strong>&nbsp;(Qualis A4) é um periódico científico de acesso aberto, editado pelo&nbsp;<strong>Grupo de Estudos do Tempo Presente (GET/UFS/CNPq),</strong> radicado no Departamento de História da Universidade Federal de Sergipe (UFS). A revista aceita trabalhos de graduados, pós-graduandos, professores e pesquisadores da área de <strong>História</strong>. Informamos a todos os interessados em apresentar&nbsp;<strong>artigos e resenhas</strong>&nbsp;para publicação que os mesmos são recebidos em&nbsp;<strong>fluxo contínuo</strong>. Não cobramos nenhuma taxa de processamento de artigos.</p> <p><strong>E-ISSN</strong>: 2357-9145</p> https://www.seer.ufs.br/index.php/historiar/article/view/18164 Imprensa negra e resistência à ditadura no Brasil: o ressurgimento dos jornais negros na década de 1970 2022-10-01T13:03:28-03:00 Gabrielle Oliveira de Abreu historiar@getempo.org <p><strong>Resumo:</strong> Este artigo se dedica a apresentar de quais maneiras a imprensa foi mobilizada pelo <br>ativismo negro brasileiro nas décadas de 1970 e 1980. Para tanto, demonstraremos como o <br>fenômeno dos jornais alternativos tem sido instrumento de luta histórico para diversos segmentos <br>do movimento social negro desde meados do século XIX. Propomos também analisar os jornais <br>negros contemporâneos como parte de um escopo mais amplo de resistência à ditadura militar e <br>engajamento por restauração democrática, tendo em vista o cenário autoritário que serviu de plano <br>de fundo para as atividades desses grupos.<br><strong>Palavras-chave:</strong> jornais alternativos; movimentos negros; ditadura militar.</p> 2022-10-01T12:00:53-03:00 Copyright (c) 2022 Boletim Historiar https://www.seer.ufs.br/index.php/historiar/article/view/18165 Discurso e mídia: uma análise da representação de Lula nas capas da revista Veja 2022-10-01T13:03:28-03:00 Luciano Taveira de Azevedo historiar@getempo.org <p><strong>Resumo:</strong> Neste artigo, analisamos o discurso produzido sobre Luiz Inácio Lula da Silva nas <br>capas da revista Veja mobilizando dispositivos da Análise de Discurso francesa. A partir do <br>escopo teórico disponível em Pêcheux, Orlandi e Ferreira, problematizamos a questão das <br>representações que o periódico semanal Veja faz de Lula. Desse modo, procuramos, durante a <br>análise do corpus, dar à capa de revista um estatuto discursivo ao deslocá-la de um processo <br>de interpretação que entende os sentidos do texto como transparentes a si mesmos para um <br>processo que os aborda em sua opacidade. Ao mobilizar noções como condições de produção,<br>interdiscurso e formações discursivas, colocamos em movimento um gesto de leitura daquelas<br>capas da revista Veja que permitiram percorrer os efeitos de sentido que engendraram<br>diferentes representações de Lula.<br><strong>Palavras-chave:</strong> Mídia; Discurso; Memória; Representação.</p> 2022-10-01T12:30:00-03:00 Copyright (c) 2022 Boletim Historiar https://www.seer.ufs.br/index.php/historiar/article/view/18166 Sexualidades Indígenas: Two-Spirit e Queer of Colour enquanto crítica à colonialidade 2022-10-01T13:03:28-03:00 Luíza Zelinscki Lemos Pereira historiar@getempo.org Thífany Piffer historiar@getempo.org <p><strong>Resumo:</strong> Dentro da crítica à colonialidade e à normatividade compulsória nas quais os corpos <br>estão submetidos, este artigo busca entrelaçar duas teorias: Queer of Colour e Two-Spirit, <br>pensando novas possibilidades para entender as sexualidades indígenas. Com o objetivo de <br>compreender, através da interseccionalidade, as perspectivas e os limites de se estudar essa <br>temática no Brasil, analisamos autoras e autores que trabalham por essa ótica, buscando <br>problematizar e transgredir a teoria Queer, que opera no cenário europeu e norte-americano. A <br>intencionalidade não é a tradução da teoria para o português-brasileiro, mas a identificação da <br>necessidade de existir movimentos próprios do hemisfério sul, quebrando com a lógica do norte <br>produtor e do sul receptor. Considerando os traços da colonialidade arraigados nos modos de <br>ser e pensar de povos indígenas, pretende-se analisar se as teorias Queer of Colour e Two-Spirit<br>abrangem as problemáticas, os contextos e as resistências indígenas. <br><strong>Palavras-chave:</strong> Sexualidades Indígenas; Queer of Colour; Two-Spirit; Colonialidade.</p> 2022-10-01T12:37:20-03:00 Copyright (c) 2022 Boletim Historiar https://www.seer.ufs.br/index.php/historiar/article/view/18167 Fé no indivíduo: aproximações entre o projeto econômico de Paulo Guedes e a ética neopentecostal 2022-10-01T13:03:28-03:00 Filipe Senos dos Santos historiar@getempo.org <p><strong>Resumo:</strong> O artigo procura investigar a relação entre dois importantes eixos presentes na <br>sociedade brasileira contemporânea: o primeiro trata do projeto econômico de Paulo Guedes, o <br>Ministro da Economia do governo de Jair Bolsonaro; o segundo refere-se à ética econômica <br>produzida a partir da Teologia da Prosperidade, um pensamento religioso difundido em igrejas<br>neopentecostais. Nesse sentido, busca-se fazer uma análise em bases weberianas, investigandose as relações entre as esferas religiosa e econômica. Para isso, serão analisadas algumas ideias <br>de Paulo Guedes e de duas das maiores referências protestantes no Brasil: o Bispo Edir Macedo<br>e o Missionário R.R. Soares. A hipótese central reside na ideia de que os dois eixos estudados<br>são baseados no individualismo. Essa convergência aponta para a construção de um modelo<br>socioeconômico de características neoliberais no Brasil.<br><strong>Palavras-chave:</strong> Paulo Guedes; Teologia da Prosperidade; neoliberalismo; Edir Macedo; R.R.Soares.</p> 2022-10-01T12:43:07-03:00 Copyright (c) 2022 Boletim Historiar https://www.seer.ufs.br/index.php/historiar/article/view/18168 Entre frutas tropicais e porcelanas francesas: a formação do Estado imperial brasileiro e os poderes em construção na Província de Sergipe 2022-10-01T13:03:29-03:00 Romero Romulo da Silva Júnior historiar@getempo.org <p><strong>Resumo:</strong> Este artigo tem como temática o processo de organização dos poderes na província <br>de Sergipe a partir das disposições do poder central e encontra-se vinculado ao campo da <br>história política. Nele, objetivamos investigar não só como se deu o processo de organização <br>do Império do Brasil, especialmente com a sua independência, mas sobretudo a relação desse <br>no estabelecimento dos poderes políticos em Sergipe oitocentista. Para alcançar o objetivo <br>proposto, observou-se o levamento bibliográfico sobre a formação do Brasil Império e da <br>província sergipana. Além da análise de ofícios produzidos no período referente. As discussões <br>então foram estabelecidas essencialmente com base em Antônio, Carvalho, Mattos e Nunes.<br>Por fim, o texto busca compreender como a província sergipana estabelece as tensões e <br>conciliações não só com o poder central, mas também com as forças locais e como essas <br>implicam em dinâmicas particulares.<br><strong>Palavras-chave:</strong> Poder; Império do Brasil; Sergipe Provincial.</p> 2022-10-01T12:47:24-03:00 Copyright (c) 2022 Boletim Historiar https://www.seer.ufs.br/index.php/historiar/article/view/18169 Fazer recordar os heróis do Jenipapo: história, memória e identidade em um monumento (1971-1973) 2022-10-01T13:03:29-03:00 Cláudia Cristina da Silva Fontineles historiar@getempo.org Antonio Jeferson de Sousa historiar@getempo.org <p><strong>Resumo:</strong> O presente artigo tem por objetivo analisar a repercussão da construção do <br>Monumento aos Heróis do Jenipapo, em 1973, no município piauiense de Campo Maior, e suas <br>relações com a memória, história e identidade. Nosso recorte temporal tem início em 1971, <br>quando o jornal A Luta publica a campanha em prol da construção do monumento, organizado <br>pelos escritores Octacílio Eulálio e Antônio Andrade Filho. O recorte final é 1973, ano de <br>construção do monumento e as disputas de memória feitas pelos escritos campomaiorenses no <br>jornal A Luta. A obra arquitetônica significaria a valorização da Batalha do Jenipapo, mas <br>também uma importante forma de promoção das ações do governo de Alberto Silva. Para isso, <br>recorremos à pesquisa bibliográfica, análise das reportagens do jornal A Luta e textos <br>biográficos. Como arcabouço teórico-metodológico, foram importantes a interlocução com <br>Choay, Pollak, Le Goff, Candau, Sirinelli, Fontineles, dentre outros. <br><strong>Palavras-Chave:</strong> História; Memória; Identidade; Monumento aos Heróis do Jenipapo.</p> 2022-10-01T12:58:14-03:00 Copyright (c) 2022 Boletim Historiar https://www.seer.ufs.br/index.php/historiar/article/view/18170 "Nada Consta": o atestado de ideologia no Rio Grande do Sul entre a abertura política e os freios autoritários (1975 - 1979) 2022-10-01T13:03:29-03:00 Carlos Eduardo da Silva Pereira historiar@getempo.org <p><strong>Resumo:</strong> O presente artigo visa analisar, através do atestado de ideologia e dos debates em <br>torno dele, o momento de abertura política no âmbito do Rio Grande do Sul e no cenário <br>nacional. Para isso, serão utilizadas fontes diversas que possam elucidar de forma panorâmica <br>a inserção dos atestados de ideologia no debate público, seu papel no aparato repressivo e sua <br>viabilidade (ou inviabilidade) dentro de um período de transição política. Também será <br>traçado um olhar mais profundo em relação ao contexto do atestado ideológico e à lei de <br>anistia, inserindo-o como questão pertinente no pano de fundo político. Além da combinação <br>de fontes, a análise aqui elaborada partirá do princípio do atestado ideológico como uma <br>instituição que fornece respostas para problemas em determinado período, situação e <br>contexto. Dentro dessa perspectiva, serão levantadas questões em torno da governabilidade, <br>do caráter da transição política e da inserção do atestado ideológico dentro desse debate.<br><strong>Palavras-Chave:</strong> Ditadura; Atestado de Ideologia; Abertura Política.</p> 2022-10-01T13:02:48-03:00 Copyright (c) 2022 Boletim Historiar